top of page
  • Foto do escritorVitor Hugo

A mentalidade para prosperar como consultor em tempos de incerteza

Atualizado: 15 de fev.

Quando se fala de tempos de incerteza, para muitos consultores a primeira imagem que vem à mente é a do período recente da pandemia. Muitos profissionais perderam seus empregos e até mesmo nós consultores tivemos que inovar a nossa abordagem perante o mercado, para não perdermos clientes.


Enquanto sim, grande parte das incertezas e dificuldades para prosperar podem ter ligação direta com o ambiente externo, é importante nos perguntarmos com está a nossa mentalidade e habilidade de enxergar oportunidades, assim como nossa tomada de decisão em tempos desafiadores onde o céu parece estar caindo sobre nossas cabeças.


Vivemos num mundo de imprevisibilidade, onde os mercados estão interligados. Onde algo que começa num país pode rapidamente ter um impacto no outro lado do globo.

Isso é apenas realidade. E quem empreende sabe muito bem que, no mundo dos negócios, a única coisa certa é a incerteza.


Segundo o professor e escritor Idalberto Chiavenato, "o processo decisório é complexo e depende das características pessoais do tomador de decisões, da situação em que está envolvido e da maneira como percebe a situação. Uma organização é um sistema de decisões em que cada pessoa participa consciente e racionalmente, escolhendo e decidindo entre alternativas mais ou menos racionais que são apresentadas de acordo com sua personalidade, motivações e atitudes."


Ao tomar decisões, existem componentes intuitivas e racionais, que impactam de modo mais ou menos intenso conforme optamos por utilizar nossa opinião ou informação disponível no processo.


Quando o raciocínio lógico atinge o seu limite, a intuição que se forma a partir do processamento de dados estocados no subconsciente possibilita a criação de novas alternativas para os desafios impostos pelo ambiente interno e externo.


A questão é que muitos de nós utilizamos nossas experiências passadas para pautas as decisões do presente. Porém, nem sempre adequamos essas informações ao contexto presente. Isso é um grande risco para os consultores nesse novo ambiente de mercado.


Muitos dos referenciais, técnicas e ferramentas continuam válidos sim, mas necessitam ser recontextualizados para que sua aplicação seja efetiva. Os empresários tem a expectativa que o consultor os guie nesse processo decisório, mesmo diante de cenários tão incertos. Isso torna nossa atividade ainda mais complexa. Se você está em dúvida se isso faz parte ou não do papel de um consultor empresarial, confira esse outro artigo em nosso blog.


Embora seja um grande desafio, existem ferramentas que podem lhe ajudar nessa tarefa. Um método para tomar decisões mais prudentes e racionais mesmo em meio a tanta turbulência, é a Árvore da Decisão.


Árvore de decisão

As árvores de decisão são usadas em domínios tão diversos como manufatura, investimento, gerenciamento e aprendizado de máquina, e são uma ferramenta que você pode usar para quebrar decisões complexas ou automatizar decisões simples.


Uma árvore de decisão é um fluxograma visual que permite considerar vários cenários, pesar probabilidades e trabalhar com critérios definidos para agir.


A ANATOMIA DE UMA ÁRVORE.


As árvores de decisão começam com um único nó que se ramifica em vários resultados possíveis com base em um teste ou decisão. Cada ramificação possui nós adicionais que podem continuar a se ramificar em possibilidades adicionais. É o que você provavelmente está fazendo inconscientemente, sempre que analisa um problema usando perguntas ou critérios esclarecedores.


CATEGORIZE OU PREVEJA.


Achamos mais útil considerar Árvores de Decisão no contexto de um dos dois casos de uso.


Categorize as opções para decidir : decomponha metodicamente um problema grande e complexo com critérios escalonados até chegar a um ponto de ação claro.


Preveja possibilidades: atribuir probabilidades e custos a resultados potenciais para avaliar escolhas com base no “valor esperado” dessas opções. Isto pode ser aplicado ao rendimento potencial de diversas oportunidades de investimento, até à análise de avaliação de risco. Veja a seção na Prática para um exemplo.


É importante notar que as atuais formas de I.A. - inteligência artificial, utilizam o Machine Learning, que categoriza as Árvores de Decisão de forma diferente, como Variáveis ​​Categóricas, que são testes "Sim/Não" binários; e Variáveis ​​Contínuas, que são intervalos como tempo ou distância. No entanto, tais classificações são menos úteis para aplicações mais amplas deste modelo.


PARA CLAREZA NA COMPLEXIDADE E AUTOMAÇÃO SIMPLES.


Este modelo pode ajudá-lo com desafios de tomada de decisão simples e complexos.


Para decisões complexas , as Árvores de Decisão ajudarão você a dividir sistematicamente um problema em seus componentes de pontos de decisão. Sua natureza visual apoia a colaboração e a discussão. Além disso, atribuir probabilidades e custos a cenários alternativos ajudará a identificar o valor esperado por trás de uma decisão e a interromper preconceitos inconscientes.


Para decisões relativamente simples que possuem mais de um ponto de decisão, as Árvores de Decisão podem ajudá-lo a reduzir a carga cognitiva trabalhando por meio de um piloto automático consistente e informado.


CRESCENDO A ÁRVORE.


O ponto de partida para uma Árvore de Decisão é definir o problema que você está resolvendo e identificar o primeiro critério ou teste mais esclarecedor para atribuir como seu primeiro nó.


Depois disso, é o caso de escolher as categorias mais úteis que ajudam a decompor ainda mais as opções possíveis e o problema em componentes claros. Se você estiver usando a probabilidade e o impacto nos custos como um método adicional para avaliar as opções, por exemplo, basta multiplicar a probabilidade e a quantidade de dinheiro de cada opção para determinar uma comparação média.


A FERRAMENTA NA PRÁTICA


As árvores de decisão funcionam bem com uma variedade de outros modelos. Você pode utilizar a técnica dos 5 Porquês para garantir que você está respondendo à pergunta mais poderosa antes de começar. Atribuir valores esperados para cada cenário é essencialmente a aplicação do Pensamento Probabilístico ou de uma Análise Custo-Benefício .


Defina o problema.


Estabeleça a questão ou problema abrangente que você deseja resolver ou esclarecer. Por exemplo, 'Devo usar uma árvore de decisão?'


Faça um brainstorming de critérios ou perguntas para esclarecer o problema.


Faça uma lista de critérios que ajudarão a resolver o problema. Continuando o exemplo, isto pode incluir 'é complexo ou simples?'; 'possui mais de um ponto de decisão?'; e 'posso determinar a probabilidade e os custos das opções?' '


Identifique a pergunta mais esclarecedora como seu nó inicial.


Uma das perguntas que você fez no brainstorming será o caminho mais claro e rápido para chegar a uma resposta para o seu problema - esse deve se tornar o seu ponto inicial. No nosso exemplo continuado, esta seria provavelmente a questão “simples ou complexa”, dado que é o critério de esclarecimento de mais alto nível daqueles que foram objeto de brainstorming.


Estabeleça outros testes conforme necessário.


Para cada opção possível, considere se se trata de um resultado final ou se requer outro teste/pergunta para considerar outras opções. No nosso exemplo trabalhado, isto envolve criar uma hierarquia dos critérios ou questões existentes e considerar ações apropriadas para cada escolha. Veja o diagrama na parte superior deste modelo para saber como isso funciona.


Considere as probabilidades e os impactos de cada opção.


Dependendo da natureza da decisão, poderá ser apropriado calcular o “valor esperado” de cada opção. Isto pode ser conseguido através da atribuição de probabilidades e impactos (por exemplo, custos ou rendimentos) para cada opção. A probabilidade multiplicada pelo número do impacto retornará um “valor esperado” médio para cada alternativa, que pode informar sua decisão.


Mas lembre-se, essa é apenas uma ferramenta que, como outras tantas, depende de uma aplicação correta e pautada em análises que, muitas vezes, apenas um humano capacitado pode fazer. Esse é um grande diferencial que todo consultor deve explorar.


E se você quer conhecer um pouco mais sobre a mudança de mentalidade - ou Mindset, assista uma verdadeira aula que tivemos com a psicóloga Rejane Amorim em nossa Sala Vip



Posts recentes

Ver tudo

Comments

Rated 0 out of 5 stars.
No ratings yet

Add a rating
bottom of page